Logon

CBMM
CBMM - Português (Brasil)

Sim

​Representantes de mais de 40 empresas e instituições participaram, no início de julho de 2013, em São Paulo, do Seminário Internacional Application of High Strength Steels in the Lightweight Design of Commercial Vehicles - do inglês para aplicações de aços de alta resistência no design de veículos comerciais leves.

                      Caminhão para transporte mais eficiente de minério, desenvolvido em parceria

entre a CBMM, Rossetti e SSAB

Organizado pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), em conjunto com a SAE-Brasil, o encontro foi dedicado ao debate em torno do uso de materiais diferenciados no setor de veículos comerciais leves. As discussões se concentraram no cumprimento de três objetivos básicos para a indústria - reduções substanciais em peso e em custo, aliadas a uma melhoria generalizada de desempenho das estruturas.

O seminário contou com a participação de cerca de 170 pessoas representando 42 empresas e instituições - também da área acadêmica - além de consultorias ligadas ao setor. Dez trabalhos foram apresentados durante o encontro, incluindo estudos de caso, projetos corporativos e pesquisas acadêmicas - todos focalizando o uso de aços de maior resistência em estruturas principalmente de veículos comerciais leves.

De acordo com Marcos Stuart, diretor de Tecnologia da CBMM, três metas em comum foram identificadas entre todos os participantes: obter a redução de peso, uma consequente diminuição nos custos das empresas do setor e alcançar ganhos de desempenho como resultado da aplicação de aços de alta resistência. 

Para atingir os objetivos, porém, o executivo lembrou existirem três desafios de grande importância. Segundo ele, conquistar níveis expressivos de redução nas emissões de gases poluentes é uma questão primordial. Cita, ainda, a necessidade para a indústria de conciliar a conformação mecânica com a alta resistência dos materiais diferenciados, ou seja, que não mais se prendem ao uso do aço convencional nas estruturas embora o próprio aço continue sendo, na sua visão, o melhor produto para a fabricação de veículos comerciais leves.

Já para o terceiro desafio, Marcos Stuart recomenda a adoção do que chama de "simplicidade" dos processos de produção lembrando que com um bom projeto, já se torna possível reduzir o peso das estruturas e, simultaneamente, garantir maior resistência dos componentes. "A seleção do material empregado é muito importante para isso", alerta. 

Resultado nessa mesma linha parece ter sido conquistado em um projeto apresentado por representante da empresa PCP Steel, desenvolvido em parceria com a finlandesa Rautaruukki Oyj - a Ruukki. Aplicado em caminhões utilizados no exigente transporte de enormes toras de madeira no sul do País, o aço de alta resistência proporcionou uma redução de 55% no peso das estruturas, que se traduziram numa diminuição superior a 150 quilogramas nas carrocerias de armazenagem de toras. 

Segundo Vagner Araújo, da PCP, aços de alta resistência utilizados naquele projeto apresentaram perto de 1500 MPa (megapascal) de resistência mecânica, possibilitando ganhos de redução de peso e consequente economia no transporte da carga. 

O mesmo tipo de ganho foi verificado num projeto da própria CBMM em parceria com a Rossetti, de carrocerias e a sueca SSAB - fornecedora de aços de alta resistência em todo o mundo. Também idealizado para aplicações em caminhões, o projeto de uso dos aços do tipo Hardox e Domex teve componentes com até 700 MPa de resistência, o que possibilitou 25% de redução dos pesos das caçambas. Com isso houve economia de 2,2% no custo total de transporte, redução de 3,7% no consumo de diesel e cortes de 3% nas emissões de CO2.  Houve também uma substancial eliminação de 40 metros lineares de solda que se tornou desnecessária nas caçambas de transporte de minério na empresa. 

De sua parte, Marcos Stuart considera que aços com níveis em torno de 700 MPa já apresentam resistência considerável, oferecendo facilidade de conformação a frio, de opções de corte e de aplicações de solda. Ele também destacou que o Brasil é um país líder na América Latina no setor de comerciais leves, mas que são necessários mais investimentos na questão da segurança de caminhões. Ele fez a afirmação ao comentar uma das apresentações do seminário, centrada exatamente no uso de aços de alta resistência em caminhões da europeia Volvo, sendo avaliados em um crash-test de cabine de um veículo.

O executivo lamentou o fato de o Brasil ainda ser um grande importador quando o assunto são motores e blocos para caminhões, mas destacou que os caminhos estão abertos para maior desenvolvimento do setor no País. Ele salientou dois tipos de tecnologia que a seu ver podem trazer benefícios para o lightweight design de veículos comerciais - o Tailored Blank e o Laser Welding. Juntamente com outras metodologias as técnicas, segundo ele, podem viabilizar a elaboração de componentes formados por chapas de diferentes espessuras e diferentes aços, com variações de resistências tão amplas quanto de 200 MPa a 900 MPa, resultando numa capacidade de absorção progressiva de energia, o que é fundamental para a segurança do equipamento em caso de colisões.